Descolamento da retina pode afetar a percepção visual

Postado em: 22/04/2016 ás 11:59 AM / Categorias: Notícias / Nenhum Comentário /

Flashes ou manchas escuras na visão. Esses podem ser sintomas do descolamento da retina, um problema grave, que sem tratamento adequado gera cegueira parcial ou total.

Segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), anualmente são registrados cerca de 20 mil casos no Brasil. A retina é uma estrutura de tecido nervoso que reveste a parte interna do olho, por meio de células nervosas que detectam a luz e enviam sinais para o cérebro sobre as imagens. Se por algum motivo, parte ou totalidade da retina se descolar, não é possível realizar este processo e consequentemente o olho não terá a percepção normal.

De acordo com o oftalmologista e especialista em retina, Vitor Prado, existem diversas causas para esse problema.

Dr. Vitor Prado

O especialista em Retina do HOFV, Vitor Prado, explica as causas, diagnóstico e tratamentos quando há o descolamento da retina.

“O descolamento da retina pode acontecer devido a buracos ou roturas na retina ocasionados por problemas como o traumatismo craniano ou ocular, tração na retina e ainda inflamações nessa região”, explicou.

O médico alerta ainda, que existem alguns fatores que aumentam o risco do problema.

“O envelhecimento, histórico familiar do problema, miopia extrema, cirurgia ocular anterior, lesões oculares graves, entre outros, aumentam as chances de ter o descolamento”, ponderou.

Diagnóstico e tratamento

Devido a gravidade do problema, o descolamento é tratado como situação de urgência, que exige rapidez e agilidade de paciente e médicos. Em sinais como manchas escuras, pontos na visão e flashes de luz é necessário que se procure o médico imediatamente.

O diagnóstico é realizado por meio de exames clínicos que observam se há buracos, roturas ou outros problemas na retina. Outras opções de análise são exames de mapeamento da retina e ultrassonografia em casos de hemorragia ou outras opacidades de meios.

Já o tratamento depende de diversos fatores como o tipo, extensão e gravidade.

“Existem várias formas de tratar e só é possível determinar qual o tratamento mais adequado, quando se tem o diagnóstico. Mas posso destacar alguns muito utilizados como retinopexia pneumática e introflexão escleral ou vitrectomia, com o auxílio de crioterapia ou laser, podendo ser necessário combinar mais de um procedimento. Algumas vezes serão necessárias duas ou mais cirurgias para concluir o tratamento”, esclareceu Vitor Prado.

Comments are closed.