Especialidades - Hospital de Olhos Francisco Vilar

CIRURGIA DE CATARATA A LASER
Restaure o brilho da sua vida

Cirurgia de Catarara a LaserA catarata surge comumente com a idade ou na presença de outros fatores de risco como, doenças do olho, problemas orgânicos (como diabetes, por exemplo), efeitos colaterais de certas medicações ou patologias congênitas.

A doença gradualmente deixa o cristalino (lente natural do olho) opaco e a visão embaçada, A evolução da catarata torna o cristalino cada vez mais denso e sem brilho, dificultando a passagem da luz em direção à retina.

A única forma de tratar a catarata é através da cirurgia, assim após o diagnóstico da doença é necessário que se faça uma cirurgia de correção. A cirurgia substitui o tecido danificado por uma lente intraocular reduzindo ao máximo o uso de óculos após a cirurgia, levando em boa parte, até mesmo a eliminá-los, com o uso de lentes intraoculares de tecnologia avançada.

A catarata é removida por meio da facoemulsificação ou por laser de femtosegundo, nova tecnologia que personaliza a cirurgia, melhora a segurança, possibilita um alto grau de precisão e costuma ser associada com uma recuperação mais rápida da boa visão após o procedimento.

Todo o procedimento cirúrgico é feito sob anestesia local. Não há necessidade de internação.


CIRURGIA REFRATIVA A LASER
Tecnologia avançada na correção da miopia, hipermetropia e astigmatismo

Cirurgia RefrativaA cirurgia refrativa a laser corrige os erros refrativos de miopia, hipermetropia e astigmatismo.

Esses erros refrativos se dão devido a não focalização da imagem sobre a retina, e possuem como principais sintomas: perda de visão, desconforto ocular, dores de cabeça, lacrimejamento e ardor nos olhos.

O objetivo primordial da cirurgia é transformar a visão que está embaçada (sem correção visual) em uma visão nítida, independente do uso de óculos ou lentes de contato.

 Através da tecnologia do Excimer Laser, é possível obter excelentes resultados visuais com a precisão que remove cada grau em poucos segundos com elevado índice de segurança e mais conforto ao paciente.

As técnicas utilizadas na cirurgia, ambas fazendo uso do Excimer Laser são o PRK, e o LASIK (mais popular dos tratamentos para correção ocular a laser do mundo). Através de exames específicos, o especialista avaliará o melhor método a ser aplicado em cada caso.

A anestesia é realizada por meio de colírios e não há necessidade de internação.


CÓRNEA
Tratamento revolucionário previne o avanço de deformidades corneana

CorneaA córnea desempenha papel fundamental na formação da visão, além da função protetora, funciona como uma lente fixa sobre a íris (parte colorida do olho), focando a luz da pupila na direção da retina.

Alterações no formato e na transparência da córnea podem comprometer seriamente a visão. Algumas córneas podem ser alteradas por doenças metabólicas ou por degenerações e distrofias, que têm origem desconhecida. O ceratocone é uma alteração da curvatura da córnea, o principal sintoma é a alergia ocular devido à intensa coceira. Existem vários graus e tipos de ceratocone e cada um deve ser tratado de maneira diferente.

O tratamento do ceratocone incluiuso de óculos, lentes de contato específicas de diferentes materiais e desenhos e em casos mais avançados os implantes de anel de Ferrara (prótese, com objetivo de corrigir a deformidade da curvatura corneana).

O crosslink é uma tecnologia nova no tratamento e prevenção do avanço de determinadas doenças da córnea. Veio para revolucionar a abordagem das patologias corneana e se baseia na aplicação de luz ultravioleta na presença da riboflavina (vitamina B2). O procedimento aumenta a resistência da córnea e é realizado no centro cirúrgico sob anestesia local.

Porém há casos que a córnea pode estar comprometida e quando não é possível recuperá-la o transplante é indicado, e que, consiste na troca da córnea doente, por uma transparente de um doador do banco de olhos.


DOENÇAS EXTERNAS OCULARES
Diagnóstico preciso. Resultados altamente satisfatórios

Doencas Externas OcularesDoenças externas oculares ocorrem quando há afecções que comprometem a região anterior do bulbo ocular. Por estar em constante contato com o ambiente externo, essa região é bastante suscetível a traumas e agressões afetando estruturas como a conjuntiva, pálpebras, cílios, a córnea e as glândulas lacrimais.

As principais doenças externas oculares são: conjuntivites infecciosas e alérgicas, infecções, ceratites, síndrome do olho seco, blefarites, pterígio e outras doenças da superfície ocular.

O quadro das chamadas doenças externas é bastante vasto. É importante que haja o acompanhamento do oftalmologista para um diagnóstico preciso e tratamento adequado.

O tratamento depende da causa e da patologia com o uso de medicação específica (colírios e antibióticos prescritos pelo especialista), associado à higiene ocular, compressas geladas e colírios lubrificantes. Enquanto o pterígio (popularmente chamado de “carne crescida”) o tratamento geralmente é cirúrgico, principalmente quando ameaça o centro da córnea. O acompanhamento clínico e o uso de lágrimas artificiais poderá ser empregado em casos mais leves.


ESTRABISMO e AMBLIOPIA
Perceba todos os detalhes com uma visão 3D

EstrabismoO estrabismo é o desalinhamento dos olhos, popularmente conhecido como ‘olho torto’ quando eles perdem o paralelismo, enquanto um dos olhos olha para frente, o outro olha para outra direção.

Dentre as principais consequências da doença estão à baixa visão em um dos olhos quando não tratado na idade apropriada, comprometimento da visão 3D, problemas psicológicos e sociais relacionados ao desvio ocular.

Esse desvio ocular afeta crianças e adultos entre as causas adquiridos na vida adulta estão: traumatismo craniano, diabetes, problemas vasculares como aneurismas, tumores cerebrais, entre outros. Existem vários tipos de estrabismo como: desvio dos olhos para dentro, desvio dos olhos para fora e os desvios verticais (quando olho fica mais alto ou mais baixo do que o outro).

Há tratamentos diferentes para os vários tipos e estágios da doença e o principal objetivo é preservar e recuperar a visão binocular, colocando olhos de forma paralela. Alguns estrabismos são corrigidos com o uso de óculos, outros com a cirurgia de alinhamento dos olhos. A oclusão (ou tampão) é utilizada principalmente para o tratamento da ambliopia, doença recorrente do estrabismo (também conhecida como doença do “olho preguiçoso”).

É importante o diagnóstico do tipo de estrabismo para que seja realizado o tratamento adequado. Os fatores mais importantes para a sua correção são a idade do paciente e a acuidade visual na fase inicial do tratamento, porém a correção cirúrgica do estrabismo pode ser realizada com a finalidade estética.


FISIOTERAPIA OCULAR
Estímulos dinâmicos para corrigir, recuperar e potencializar a funcionalidade visual

Fisioterapia OcularA fisioterapia em oftalmologia trata as deficiências da visão sensorial e da motricidade dos olhos através do treino da musculatura ocular com estimulação visual e exercícios dinâmicos, que visam corrigir distúrbios da visão e recuperar a funcionalidade visual.

O tratamento se da pela detecção de insuficiência visual de convergência e divergência dos olhos pelo exame de motilidade ocular que detecta e mensura as insuficiências musculares dos olhos, as quais podem causar diplopias (visão dupla), dificuldade e/ou sonolência durante a leitura, perda de concentração nos estudos,cansaço visual e dor de cabeça.

Principais indicações: pós-operatórios de retina e plástica ocular, visão subnormal infantil e adulto, paralisias transitórias de etiologia neurológica, vascular ou traumática e no pós-operatório dos estrabismos, dando continuidade no tratamento, corrigindo os desvios residuais dos olhos e prevenir o retorno da patologia corrigida pela cirurgia.

pós-operatórios de retina e plástica ocular, visão subnormal infantil e adulto, além de quadro de avaliação em estrabismo e paralisias transitórias de etiologia neurológica, vascular ou traumática. – See more at: http://hospitalfranciscovilar.com.br/equipe-medica/helio-de-siqueira-rabelo-barros/#sthash.rOCCJfEv.dpuf
pós-operatórios de retina e plástica ocular, visão subnormal infantil e adulto, além de quadro de avaliação em estrabismo e paralisias transitórias de etiologia neurológica, vascular ou traumática. – See more at: http://hospitalfranciscovilar.com.br/equipe-medica/helio-de-siqueira-rabelo-barros/#sthash.rOCCJfEv.dpuf


GLAUCOMA
Tratamentos avançados e combate permanente

glaucomaO glaucoma é uma patologia ocular que provoca lesão no nervo óptico e campo visual, levando à perda das células responsáveis por enviar os impulsos nervosos ao cérebro. Essa doença não tem cura, apenas tratamento que minimiza os seus efeitos, evitando à perda da visão periférica e da visão central.

Uma das principais causas do glaucoma é a elevação da pressão intraocular, e alguns fatores podem influenciar no seu aparecimento e por isso é importante estar atento a detalhes, como casos na família, idade avançada, uso de determinados medicamentos, traumas oculares, entre outros.

Existem vários tipos de glaucoma que na maioria dos casos, não apresenta sintomas iniciais e pode levar à cegueira. As visitas periódicas ao oftalmologista passam a ser fundamentais para a prescrição e acompanhamento do tratamento mais adequado. O uso de colírios especiais é o tratamento inicial mais frequente e tem a finalidade de reduzir a pressão intraocular, que também pode ser associado a aplicações de laser.

A indicação de procedimentos cirúrgicos se faz quando a pressão intraocular encontra-se em níveis não adequados mesmo com uso de medicação e terapia a laser. A cirurgia produz um canal de drenagem alternativo para aliviar o aumento da pressão interna no olho. Outros procedimentos possíveis são os tratamentos ciclo destrutivos e implantes de drenagem, que atuam, respectivamente, através da diminuição da produção de líquido no interior do olho (humor aquoso) e do aumento da drenagem do mesmo.


LENTES DE CONTATO
Conforto, praticidade e mais cor na sua vida

Lentes de ContatoLentes de contato são próteses transparentes, em forma de disco, destinadas a serem colocadas na camada lacrimal que cobre a córnea substituindo os óculos, em casos de miopia, hipermetropia, astigmatismo e presbiopia, com a vantagem de não machucar o nariz e não atrapalhar a visão lateral, permitindo maior liberdade à prática esportiva.

Também pode ser usada para fins cosméticos, modificando a cor dos olhos, com o uso de lentes gelatinosas coloridas (com ou sem grau). Podem também ser indicadas para cobrir defeitos da superfície ocular, em pessoas com cicatrizes aparentes na córnea (indicação protética). Além disto, várias doenças corneanas só podem ser curadas ou controladas com o uso de lentes de contato gelatinosas terapêuticas. Em alguns casos, as lentes de contato proporcionam melhor visão do que os óculos, em pessoas portadoras de ceratocone (doença que leva a deformidade da córnea), anisometropia (graus muito diferentes entre os dois olhos) e astigmatismo irregular (deformidade da córnea, que pode ocorrer após trauma ou cirurgia).

A maioria das pessoas pode usar lentes de contato, até aquelas com estilo de vida agitado, uso esportivo ou ocasional. Contudo, somente o oftalmologista especialista pode dizer se o uso de lentes de contato é ideal para você.

O Hospital de Olhos Francisco Vilar oferece uma vasta diversidade de modelos, tipos, cores e tamanhos de lentes de contato. Profissionais preparados, ambiente agradável e as últimas novidades do setor estão à sua disposição durante o tempo que se fizer necessário, para que você possa se sentir confortável e tranquilo com suas lentes. Seja para uso estético, esportivo ou terapêutico.


OFTALMOPEDIATRIA
Os cuidados com a visão começam na infância

OftalmopediatriaAs crianças também podem apresentar problemas sérios nos olhos. A oftalmopediatria é a especialidade da oftalmologia que diagnostica e trata uma grande variedade de alterações oculares, que podem se manifestar nas crianças. Os cuidados com a visão são importantes em todas as fases da vida, sendo que a prevenção deve começar após a alta da maternidade com o teste do olhinho. O teste do olhinho é um exame realizado em bebês, e que pode detectar e prevenir diversas patologias oculares, assim como o agravamento dessas alterações, como uma cegueira irreversível.

Na infância uma série de alterações oculares podem ser encontradas nas crianças como: estrabismo, catarata e glaucoma congênitos, grau elevados (necessidade do uso de óculos) e etc. A grande maioria dessas patologias oculares apresenta boa evolução, desde que diagnosticadas e tratadas o mais precocemente possível.

O ideal é que crianças menores de dois anos sejam levadas a cada seis meses ao oftalmopediatra e as maiores de dois anos façam o exame anual, porém uma criança pode ser examinada em qualquer idade e a qualquer momento, quando os pais apresentam alterações visuais ou oculares importantes (glaucoma, estrabismo) caso apresentem má formação nos anexos (pálpebras, cílios e etc.), baixo rendimento escolar, falta de concentração, irritações oculares, dor de cabeça e lacrimejamento quando realiza esforço visual e suspeita de baixa visão em um ou ambos os olhos.


PLÁSTICA OCULAR
Saúde e beleza para seus olhos

Plastica OcularA plástica ocular é a especialidade da oftalmologia que corrige imperfeições e defeitos de nascimento ou adquiridos nos anexos oculares (pálpebras, glândulas, cílios, supercílios) e no próprio globo ocular, órbita e nas vias lacrimais. Esses órgãos são delicados. Eles fazem a proteção do olho e auxiliam no bom funcionamento da visão

Tumores, excesso de pele ou de gorduras e outras deformações nas pálpebras podem comprometer a visão. A plástica ocular pode ser reparadora ou estética e contribui para a harmonia dos olhos e da face como um todo devolvendo a função e deixando a autoestima lá em cima.

Os procedimentos executados na cirurgia de plástica e estética ocular são os mais variados e dependem do quadro do paciente. Inclui o tratamento de terçol, calázio (inflamação palpebral causada pela obstrução sebácea), cílios que nascem virados para dentro do olho, ptose palpebral (pálpebras caídas), entrópio ou ectrópio (inversão da margem palpebral para fora ou para dentro do olho), vias lacrimais (canais por onde as lágrimas escoam), aplicação de botox (indicado para minimizar rugas de expressão) além da reconstrução das pálpebras devido a lesões ou excesso de pele e gordura ao redor dos olhos.

Há casos de doenças oculares graves que levam à perda da visão que podem evoluir para a alteração do aspecto do olho normal. Nestas condições, realiza-se a adaptação de prótese ocular, recuperando a autoestima daqueles que passaram por uma situação dramática como a perda estrutural do olho normal.


PEQUENAS CIRURGIAS OCULARES
Intervenções simples, resultados eficazes

Pequenas Cirurgias OcularesSão cirurgias dos olhos mais simples e com rápida recuperação. Elas compreendem os procedimentos para exérese (retirada) de pequenos tumores benignos da pálpebra e da conjuntiva, xantelasma (placas amareladas) e calázio (inflamação causada por obstrução sebácea).

A cirurgia é indicada quando as patologias citadas não respondem aos tratamentos clínicos. O calázio é removido cirurgicamente após a diminuição da inflamação inicial. Já as cirurgias para retirada de xantelasma são realizadas por motivos estéticos, utilizando vaporização com laser de argônio ou dióxido de carbono.

Embora sejam cirurgias mais simples os procedimentos devem ser realizadas por oftalmologistas experientes e em um ambiente com infraestrutura que garanta eficiência e conforto.


PTERÍGIO
Cirurgia sem pontos com uso de cola biológica. Mais conforto e menos irritação

PterigioO pterígio é uma pequena membrana avermelhada na superfície do olho que se prolifera em direção à córnea, podendo causar irritação, ardor, coceira e sensação de cisco no olho, além de muita sensibilidade à luminosidade.

O pterígio se desenvolve na córnea e é muito comum entre a população que convive com altas temperaturas. Se o pterígio evoluir a ponto de causar incômodos e prejudicar a visão, as formas de tratamento se resumem ao uso de colírio para amenizar alguns sintomas, como a irritação e o ardor, e a cirurgia, único procedimento capaz de tratar o pterígio. Além de prejudicar a visão e virar um incômodo constante, a doença também pode se tornar um problema estético, já que, em alguns casos, a membrana cresce sobre a córnea, deixando-a esbranquiçada.

Diferentes técnicas cirúrgicas podem ser utilizadas. No entanto, a técnica que utiliza o transplante conjuntival (exérese de pterígio e reconstrução com transplante de conjuntiva) é a que apresenta as menores taxas de recidiva (novo crescimento do pterígio após sua remoção cirúrgica).

O uso da moderna cola biológica (adesivo de fibrina) na cirurgia do pterígio torna o processo cirúrgico e o pós-operatório mais rápido e menos agressivo, dispensando a necessidade dos pontos cirúrgicos, principal causa de irritação e desconforto pós-cirúrgico. O adesivo de fibrina utiliza substâncias coagulantes comuns no sangue humano, permitindo que o local da cirurgia seja colado em vez de suturado, o que proporciona uma cicatrização mais rápida e confortável.


RETINA e VÍTREO
Janelas por onde o cérebro percebe o mundo

RetinaA retina é parte interna do olho onde se forma a imagem ou visão que é Essa parte do olho é composta por grande quantidade de vasos sanguíneos em meio a células muito delicadas, acaba sendo uma área bastante suscetível a doenças, como: retinopatia diabética, degeneração macular relacionada à idade (DMRI), doenças vasculares da retina, retinose pigmentar dentre outras.

Fatores de risco como diabetes, hipertensão arterial, tabagismo e predisposição genética têm papel importante no aparecimento de várias doenças retinianas. Os tratamentos são baseados principalmente em fotocoagulação com laser, contudo devido a particularidades de cada doença (como o estágio de evolução em que se encontra), é necessária uma avaliação com um especialista para saber o tratamento mais indicado.

Entretanto existem doenças que pode afetar a retina independente da idade ou doença sistêmica associada. O descolamento da retina ocorre quando esta se desprende da região interior e posterior do globo ocular causando o acúmulo de líquido atrás de suas camadas. A visão central fica gravemente afetada se a mácula, a parte da retina responsável pela precisão na visão, fica descolada.

Os descolamentos de retina são tratados por cirurgias e técnica escolhida dependerá das características do problema e do dano ocorrido.


TRATAMENTO OCULAR COM ANTIANGIOGÊNICO
Infusões intravítreas que salvam a mácula

Tratamento Ocular com AntiangiogenicoO tratamento ocular com antiangiogênico consiste na administração de medicação dentro da cavidade vítrea. Esse procedimento vem evoluindo são as medicações disponíveis e a gama de doenças do olho passíveis de tratamento por essa via.

Essa via de administração é indicada normalmente para o tratamento de degeneração macular relacionada à idade (DMRI) e outras causas de neovascularização, edema macular, inflamações intraoculares, dentre outras. O principal ganho desse tratamento é a interrupção da perda de visão.

Medicamentos como: o ranibizumabe (Lucentis® – Novartis), o bevacizumabe (Avastin® – Roche) e uma nova droga, o aflibercept (Eylia® – Bayer), representam nova esperança no tratamento de doenças da retina.

Cabe ao especialista diagnosticar a doença e indicar o medicamento mais adequado a cada caso. A manutenção do tratamento depende de cada caso e do esquema proposto.

O tratamento ocular com antiangiogênico é realizado em centro cirúrgico com técnicas assépticas sob anestesia tópica ou local e o acompanhamento após o procedimento deve ser rigoroso para se controlar a doença ao longo do tempo.


TRAUMA E URGÊNCIAS OCULARES
Atendimento rápido e minucioso

Trauma OcularTraumatismos oculares estão relacionados, principalmente, a acidentes de trabalho, ao ambiente domiciliar e à violência urbana.

Acidentes envolvendo o globo ocular variam desde pequenas lesões, como as abrasões, até perfurações extensas graves, sendo de fundamental importância o acompanhamento do oftalmologista para examinar, diagnosticar e orientar com precisão casos de trauma ocular.

Corpos estranhos conjuntivais causam dor, fotofobia e lacrimejamento súbito e intenso. São removidos com anestesia tópica e uso de cotonete ou pinça.


UVEÍTES
Tratamento diferencial. Visão reestabelecida

UveitesUveíte é uma doença inflamatória que pode comprometer totalmente a úvea ou uma de suas partes (íris, corpo ciliar e coróide). Em alguns casos, a inflamação atinge também o nervo ótico e a retina.

A uveíte é classificada em anterior, intermediária e posterior, conforme o segmento ocular em que o distúrbio se manifesta, e pode ocorrer num olho ou nos dois olhos.

Olho vermelho, embaçamento visual e dor são sintomas comuns nos quadros de uveítes. Estabelecer o diagnóstico diferencial é de extrema importância, uma vez que as uveítes, quando não tratadas, podem comprometer a visão definitivamente. O diagnóstico diferencial também é importante para determinar as enfermidades sistêmicas, reumatológicas ou neoplasias que podem ser a causa primária de graves alterações oculares.

Os sinais e sintomas das uveítes às vezes se assemelham aos da conjuntivite, como olhos vermelhos e dor ocular, porém geralmente a uveíte costuma ser bem mais grave do que uma conjuntivite. Sempre que aparecer hiperemia ocular (olhos vermelhos), dor ocular ou qualquer outro sintoma, se deve procurar imediatamente um oftalmologista especialista.

No tratamento da uveíte são indicados antiinflamatórios (corticóides) em forma de colírios, medicamentos antiinfecciosos e comprimidos para diminuir a inflamação. Em casos raros, e frequentemente bem difíceis, utilizam-se os imunossupressores para regular a imunidade dos pacientes.


VISÃO SUBNORMAL
Visão remanescente maximizada para uma melhor qualidade de vida

Visao SubnormalVisão subnormal ou baixa visão é um comprometimento da função visual que impossibilita uma visão útil para os afazeres habituais, mesmo após tratamento e/ou correção dos erros refrativos comuns como uso de óculos, lentes de contato ou implante de lentes intraoculares.

 As causas mais comuns da visão subnormal em crianças são congênitas (presentes no nascimento). A prematuridade também pode gerar deficiência visual e desencadear visão subnormal. A baixa visão também pode ser adquirida por doenças em adultos como diabetes, descolamento de retina, glaucoma, catarata, traumas oculares e degeneração sinil (envelhecimento da retina). É importante salientar que, apesar de ser mais frequente em idosos, a visão subnormal pode acontecer em qualquer idade.

A visão subnormal se caracteriza pela impossibilidade de reverter à perda da visão. Por isso, os oftalmologistas procuram maximizar a visão remanescente e, assim, proporcionar mais qualidade de vida aos portadores de visão subnormal. Isso é feito através da avaliação de quais recursos são mais adequados para cada pessoa. Podendo ser indicado o uso de auxílios ópticos e não ópticos e também a realização de treinamentos para o melhor aproveitamento da visão.


ANESTESIA OFTALMOLÓGICA
Sem dor e com muitos cuidados

Anestesia OftalmologicaA principal função da anestesia oftalmológica é possibilitar que o paciente não sinta dor e atenda a necessidade de imobilização previamente planejada.

A anestesia oftalmológica acompanha os avanços tecnológicos implementando técnicas e seguindo as atualizações farmacológicas. Atualmente são poucas as indicações para anestesia geral em oftalmologia. Nos casos que são indicados anestesia geral, utiliza-se a anestesia endovenosa total com drogas metabolizadas rapidamente e, consequentemente, de rápida recuperação e mínimos efeitos colaterais.

A grande variedade de medicamentos existentes permite uma escolha de métodos desde a anestesia local isolada, local com sedação, anestesia tópica e os microbloqueios oculares associados à sedação.

A maioria das cirurgias oftalmológicas é realizada de forma programada, onde é fundamental que o mesmo passe por uma avaliação com o médico anestesista numa consulta pré-anestésica. É importante esse contato prévio para avaliar e classificar o estado físico e psicológico do paciente, colher dados importantes (como medicações em uso), experiências anteriores com anestesia, alergias e escolher a técnica anestésica para uma melhor qualidade do ato anestésico-cirúrgico.

A anestesia ideal deve ter as seguintes características: segurança, conforto, diminuição da ansiedade e da dor.